É o fim da globalização?

China anunciou recentemente que no ano passado, pela primeira vez desde a abertura de sua economia ao mundo, no fim dos anos 70, as exportações caíram em base anual. E isso não é tudo. Em termos de valor , o comércio global diminuiu em 2015. A questão é: por quê?
O comércio mundial caiu em 2009 também, mas a explicação era óbvia: o mundo estava vivendo uma grande contração do PIB na época. No ano passado, porém, a economia mundial cresceu respeitáveis 3%. Além disso, as barreiras comerciais não aumentaram significativamente em nenhum lugar e custos em transporte estão reduzindo por conta do declínio no preço do petróleo.
O Índice de Seca do Báltico (Baltic Dry Index), que mede o custo de fretar navios de grande porte, os quais carregam a maior parte do comércio de longa distância, teve a sua maior baixa. Isso indica que os mercados não esperam por uma recuperação, o que significa que os dados de 2015 podem anunciar uma nova era de desaceleração do comércio. A conclusão óbvia é a de que as forças da globalização estão perdendo o gás.
A situação na China já diz tudo. Nas últimas décadas, ao se tornar uma das potências comerciais mais importantes do mundo, a China transformou o sistema de comércio global. Agora, o valor das importações e exportações caíram, embora o primeiro tenha diminuído mais, devido à queda dos preços das commodities mundiais.
Os preços das commodities são a chave para entender as têndencias comerciais ao longo das últimas décadas. Quando estavam altos, levavam ao aumento do comércio – a ponto da participação do comércio no PIB aumentar – resultando no inevitável progresso da globalização. Em 2012, porém, os preços das commodities começaram a cair, levando consigo o comércio.
Existe uma relação direta entre a evolução nos preços do comércio e das commodities. Dado que esta conexão afeta todos os bens manufaturados que exigem insumos de matéria-prima, não há surpresa em saber que à medida que os preços das commodities caem os do comércio global vão pelo mesmo caminho.

globaliz

Efeito dos preços das commodities no comércio mundial

Isso afeta também os volumes de comércio, pois preços mais altos de commodities forçam países industriais a aumentar o volume de suas exportações para cobrir os custos do mesmo volume de importações de matérias-primas. Vale lembrar que comida, combustível e matéria-prima englobam um quarto do comércio mundial.
Isso não significa que globalização e comércio são a mesma coisa. A primeira possui muitas outras características, como o surto das transações financeiras entre fronteiras e turismo, intercâmbio de dados e outras atividades econômicas, que têm alimentado o comércio, permitindo o surgimento de cadeias de valor globais onde diferentes etapas de um processo de produção ocorrem em diferentes países.
Mas esse fenômeno foi superestimado. De acordo com a Organização Mundial do Comércio (OMC), o valor externo acrescentado nas exportações consiste em cerca de 15% para a maioria das grandes economias, como Estados Unido e União Europeia. Isso significa que cadeias de valor globais causam pouco impacto nestas grandes economias.
China é a única exceção. Sua posição como plataforma de montagem para os produtos no mundo significa que o país importa a maior parte dos elementos de maior valor agregado destes bens. Mas à medida em que a estrutura industrial chinesa amadureça, o país se aproximará mais dos Estados Unidos e União Europeia em termos de valor agregado, e não o contrário. Esta é mais uma razão pela qual o comércio pode vir a diminuir em importância.
A maioria das economias estão mais abertas hoje do que há uma geração atrás, mas está ficando claro que a percepção de que a globalização é uma força esmagadora e inexorável refletiu grande parte os efeitos colaterais do surto de commodities da última década. Se os preços se mantiverem baixos, como parece que ficarão, a próxima década pode chegar a ver o comércio global estagnar, com o padrão de comércio “reequilibrando” economias emergentes e potências industriais.

*Matéria original: Is this the end of globalization?