O que esperar do Smart Cities Expo 2016 em Barcelona?

Da terça até a quinta que vem, Barcelona será a sede do Smart Cities Expo. Caso você não seja muito da turma do Urbanismo, a gente explica: realizado todos os anos desde 2011, o SME é uma das principais conferências do planeta voltada ao debate sobre novas propostas e tendências para as cidades. Quando 54% do planeta vive em conglomerados urbanos, e as megacidades com mais de 10 milhões de pessoas não param de crescer, o que fazer com tantos bilhões de pessoas tão próximas umas das outras? É aí que a Smart Cities Expo entra em ação.

E é aí também que o Instituto Global Attitude entra também. Pela primeira vez o instituto levará uma equipe para o SME. Dois jovens e estudantes de direito estão na comitiva da Diplomacia Civil: Mayara, de Santa Catarina, e Wilson, de São Paulo.

“Desta vez, os jovens estarão presentes assistindo aos debates, palestras e estabelecendo relações de networking“, avalia o presidente da Global Attitude, Rodrigo Reis. ” A participação deles é pensada para importar as percepções e tecnologias que eles podem conhecer lá, trazendo para o brasil em implementação, seja em ideias ou em contatos”.

A feira ocorre em uma das cidades-referência em urbanismo no planeta: aliando um crescimento sustentável com propostas de vanguarda, Barcelona é uma referência em mobilidade e habitação desde sua grande proposta de crescimento, em 1854. Em um século XXI de megacidades e acesso à Internet, a capital da Catalunha se mantém como uma inspiração, e receberá empresas e órgãos públicos para diversas agendas que debatem a questão da habitação em grandes metrópoles e o uso de novas tecnologias para tornar as cidades mais humanas.

Delegação brasileira do Instituto Global Attitude na Smart Cities Expo 2016

Quem integra a comitiva do Global Attitude na SME 2016
Mayara Loebmann Perez é graduanda em Direito pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Realizou um semestre de intercâmbio acadêmico na Université Toulouse I – Capitole, na França, com foco em Direito Internacional, área em que atualmente desenvolve pesquisa acadêmica. Foi estagiária na Advocacia Geral da União (AGU) e no escritório de advocacia Menezes Niebuhr Advogados Associados. Atuou no Movimento Empresa Junior, tendo sido Vice- presidente da Locus Iuris Consultoria Jurídica – Empresa Junior de Direito da UFSC, projeto de extensão universitária gerenciado por estudantes que presta serviços de consultoria jurídica à comunidade.
Já o  Wilson Levy é advogado, doutorando em Direito Urbanístico pela PUC-SP, mestre em Direito pela USP, graduate student fellow do Lincoln Institute of Land Policy, membro da Comissão de Direito Urbanístico da OAB-SP, do Núcleo de Direito Urbanístico da Escola Paulista da Magistratura e do Conselho Estadual do Meio Ambiente (CONSEMA) de São Paulo. É professor permanente do programa de pós-graduação em Cidades Inteligentes e Sustentáveis da Universidade Nove de Julho (UNINOVE) e assessor especial na Secretaria de Estado da Educação de São Paulo. É autor, entre outros, de “Teoria Democrática e Reconhecimento” (Juruá, 2012) e “Regularização Fundiária” (2ª ed., Forense, 2014, em coautoria com José Renato Nalini).